29 de janeiro de 2013

TAMANHO IMPORTANTE É O DA SEGURANÇA

Mesmo com diversos artigos falando sobre tal assunto pela internet e através de revistas voltadas ao público masculino, os caras ainda tem uma forte insegurança (especificamente dúvidas) em relação ao tamanho do bilau. Meu ponto de vista sobre o assunto será dado aqui.

Por pura analise biológica e antropológica, não é segredo que esta insegurança provém do medo de não exercer 100% efetivas as atividades intrísecas do ser masculino para com o ser feminino. Além disso vem aquele tabu de comparar-se com outros machos para "ver" quem é o mais macho.. pura besteira isso tudo, mas por mais besteira que seja, é dificil compreender quando somos assaltados e derrotados por nós mesmos ao fazer estas analises desnecessárias.

Vou contar uma história e que vocês tirem suas conclusões.


Havia um certo cara cujo pênis não era essas coisas todas, era padrão; infelizmente, este rapaz se envolveu com uma vadia (que já teve várias experiencias com outros caras), entretanto, um certo dia a relação passageira acabou e, a vadia, espalhou que o bilau do cara não tinha um tamanho legal. Ele ficou caçoado por um certo tempo, mas admiradoramente agia de forma que não se importava com isso, pra ele aquilo não era tão importante, pois foi a natureza quem o deu e ele não podia mudar aquilo.

Ele tinha razão, a natureza deu seu instrumento de um certo tamanho e de um certo formato o qual não poderia ser alterado naturalmente e nem deve ser feito de outras formas científicas; a natureza nos provém as coisas para que nós aprendamos a lidar com elas e a saber usá-las com sabedoria e, aquele rapaz, com sorte havia sido abençoado pela natureza com a segurança plena e quando alguém vinha caçoar dele por causa do tamanho do seu pau, ele simplesmente falava: "Escavadeira pode até ser pequena, mas faz um estrago grande, voce não aguentaria!" para vadias caçoadoras e, "O que tu quer falando do pau dos outros, por acaso és gay?", para os idiotas caçoadores. Não eram as respostas que calavam a boca dos idiotas, mas a sua segurança e a forma de impor tal respeito, além disso, ele não ficava pensando sobre o assunto e cada vez mais saia com mulheres e, apesar do tamanho, continuava perfurando-as virilmente como todo macho deve fazê-lo.

Conclusão:

Seja seguro de si independente das situações e das ferramentas, o que vai fazer a diferença é a forma com que você as usa.

Abraço









11 comentários:

  1. Mulheres falam mal dos "pinto pequeno" porque sabe que atingirão eles e não porque se importam com isso.

    ResponderExcluir
  2. Se for bem dotado,e traido por um q tem um menor,,e vice versa. hoje em dia elas saem ate com mulher,por que iriamos nos preocupar com o tamanho ne.

    ResponderExcluir
  3. Meu problema e outro ;/ , tenho aproximadamente de 1,68m a 1,70m de altura e isso me deixa muito inseguro perante aos outros pq pelo q eu vejo todos sao mais altos do que eu , ate mesmo algumas mulheres :c

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tom Cruiser tem a sua altura ou é até menor que você.

      Excluir
  4. Cara, mt bom seu blog,
    tenho uma sujestão, vc poderia postar algumas musicas motivadoras e legais pra deixar com um bom astral, exp, eye of the tiger, e everyday; e i'ts my life do bon jovi , abç,

    ResponderExcluir
  5. palmas ! Excepcinal post nego ! Puta merda em Vlorenz ? kkk

    ResponderExcluir
  6. Se o cara tem segurança em suas atitudes, ele pode levar a mulher a loucura mesmo sem usar o pinto.

    ResponderExcluir
  7. Bem. Estou rompendo um namoro de quase um ano por conta disso. Ela fez um comentário logo no início do namoro, durante uma transa, onde ela me pediu “pra ir mais rápido porque devagar ela não sentia nada”. Nos primeiros dias que se seguiram a esse fatídico domingo, eu quis saber e ela disse que com o ex, gozava rápido porque tinha mais pressão enquanto comigo,pedia pra eu ir mais rápido porque devagar ela não conseguia nem me sentir. Isso foi bem no começo, e confesso que nesse começo, ela de fato vinha tão excitada e tão dilatada pra transa que eu também não a sentia. Mas o dia da comparação me devastou, nunca mais consegui confiar, e sinceramente, não quero fazer nenhuma mulher frustrada.

    Depois desse fatídico domingo (onde rolou o estresse na cama por causa disso, e começamos a chamar o episódio de fatídico domingo), ela passou,insistentemente e sempre que brigávamos, a argumentar dizendo que tamanho nunca fez diferença pra ela, que no começo da relação, ela vinha tão excitada que ela sentia que era como se perdesse a sensibilidade, como se ela ficasse anestesiada, como se tivesse vários platôs, perto do rgasmo, que não se completavam, e que ela nunca, nem uma vez ela havia ficado tão excitada assim com o ex com quem ela me comparou, e que ela achava que por isso, por essa excitação absurda que ela sentia, que ela na verdade não conseguia me sentir, e que isso não tinha nada a ver com a questão do tamanho.

    Ainda durante o namoro, uns dois meses depois desse fatídico domingo, ela veio com outra: disse que tinha que admitir que nunca tinha gozado com ninguém. Ficou mais estanho ainda, lógico, pois primeiro ela diz que gozava rápido, depois diz que nunca gozou. Daí ela disse que o ex (com quem ela foi casada durante 13 anos) tinha ejaculação precoce e que ela nunca tinha tido períodos tão longos assim de relação como tinha comigo, entre 20 minutos a perto de uma hora.

    Esse argumento não convenceu, como de nada mais eu me convenci. Perdi totalmente a auto-confiança, enquanto isso ela ia ficando cada vez menos excitada, pelo menos no início da transa. O fato é que apesar de não ter dificuldade pra gozar como ela tinha comigo, eu admito que nas primeiras
    transas era pior mesmo, eu também não sentia ela direito, que coisa mais
    estranha. Depois eu fui sentindo mais, mas obviamente o nível de excitação,
    lubrificação e dilatação dela não era o mesmo, não era a mesma lubrificação e
    nem a mesma dilatação de antes e nas poucas vezes que durante a transa ela ficava assim, bem excitada e bem dilatada, eu voltava a ter dificuldades em sentí-la também.

    Daí mais uns meses se passaram, e ela resolveu dizer que estava conseguindo alcançar o orgasmo. Eu já não acreditava em mais nada, e isso não aliviou a situação, na verdade acho que piorou, pois eu considero que um casal que queria se acertar tem que estar disposto a dizer a verdade, se existe amor, a verdade não dói tanto assim. Mas como ela insistia em provar que seus risos de nervoso durante as primeiras transas e tudo o mais que contei aqui era coisa da minha cabeça, e eu não aceitava seus argumentos, e passei a ter ciúmes patológico. Nunca passei por isso antes, estou com 41 anos, tive várias namoradas, algumas muito bonitas, outras nem tanto, mas ela é o tipo de mulher que chama a atenção, alta, quadris largos, enfim, com todo o respeito a quem diverge, mas é aquele tipo de mulher grande e exuberante que dá pra ver que precisa de algo mais mesmo. (continua)

    ResponderExcluir

  8. (continuação) Bem, orgasmo com menos lubrificação e dilatação que antes? Eu me informei muito a respeito nos últimos meses... Sei lá, imaginem o tamanho da minha obsessão em ler a respeito de tudo o que eu pudesse por minhas mãos pra tentar entender, já que dela era cada vez um argumento...somem isso ao meu ciúme patológico, que sinto muito, gostei muito dela pra fazê-la sofrer. Imagine ter que aceitar que apesar do grande amor que eu sinto, e que ela aparentemente sente, já que tentou tanto se justificar pra continuarmos juntos, enfim, apesar disso, do sentimento que obviamente existe, eu ter de aceitar que não lhe dou assim tanto tesão. Que a maldição consiste em, se ela ficar excitada, molhada, dilatada como merece, não vai ter algo digno de preencher, por mais que quem está atrás do pau tenha disposição e saúde pra um bom sexo. Me sinto muito mal por quem é menos avantajado ainda do que eu, mas infelizmente, a verdade é que se até alguém com um pau de 15,5 por 14,5 ereto passa por isso, os caras abaixo da média nacional, que é 14x13, tem mais companhia do que imaginam.

    Aqui, nesse meu post, apesar de durante muito tempo eu ter sentido raiva, não tem guerra dos sexos não. Sou bem mais homem do que um tamanho de pau deveria sugerir. Sou homem de assumir que não deu pra mim. Minha auto-confiança não se restaurou em quase um ano de relacionamento, e eu não sou homem de vê-la ficar a sofrer, na cama ou fora dela. Também não mais vou comprometer minha sanidade, meu tempo de trabalho, meu tempo com minhas filhas, meu esporte e tudo o mais que eu preciso me cercar pra me ajudar a segurar a onda agora. Ninguém vem ao mundo pra sofrer, nem pra fazer sofrer a quem não merece. Não é culpa de ninguém. Ela é ótima, ela é linda e merece ser feliz. E eu também.

    Eu saio dessa história, no final das contas, sem saber no que acreditar. Só acredito, no meu coração, que estou fazendo a coisa certa, entre nós dois. Não sei se deveria relatar isso aqui, me preocupo muito com os caras devastados por esse tipo de problema, e também com as mulheres, incapazes de admitir a seus parceiros, por amor, que o sexo não é tão bom assim. Mas sou partidário da coragem, sempre fui, e da verdade. E da felicidade, principalmente a dois.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você é foda parceiro. tenho 16 anos e aprendi muito com o que li. Parabéns !!

      Excluir
  9. Se o cara tem neura com o tamanho da porra do pau, deveria procurar uma anã.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...